Novo pedivela na MTB RockRider 300

Novo pedivela na MTB RockRider 300

Bicicleta é quase igual a qualquer outra coisa que a gente compra e quer melhorar, fazer uns upgrades, buscar atualizações. E, na medida que o tempo vai passando, vou aprendendo um pouco mais sobre a bicicleta, começo a descobrir que algumas coisas poderiam ser melhores – como o pedivela original da BTwin RockRider 300. No original vem um pedivela de aço, sem marca, na seguinte configuração 42x34x24 dentes.

Ou seja, a maior coroa, também chamada de coroa externa, possui 42 dentes e a menor coroa, conhecida por coroa interna, possui 24 dentes.

E o que isso significa?

O tamanho da coroa (parte que fica mais próxima dos seus pés) relacionada com o tamanho da catraca (parte da transmissão que fica na roda traseira da sua bike) determina a força que você irá realizar para colocar a sua bike em movimento. Basicamente, o número de dentes da coroa dividido pelo número de dentes da parte traseira da transmissão resulta no número de voltas que a roda dá pra cada volta completa no pedal.

Na configuração original da minha bicicleta, a marcha mais pesada que eu conseguia utilizar era de 42 dentes (na coroa) / 14 dentes no cog do cassete (quando eu era criança, eu chamava de catraca, mas, parece que tem uma diferença entre catraca e cassete – preciso estudar sobre isso!). O resultado é igual a 3. Ou seja, pra cada volta no pedal, a roda traseira dava quase 3 voltas completas.

E agora, com a configuração nova?

Como eu mudei apenas a coroa na relação, para calcular a marcha mais pesada que eu possuo, a conta que deve ser feita agora é: 48 dentes da coroa / 14 dentes do cassete = 3,42. Quanto maior esse número, mais pesada a marcha (e maior o seu esforço pra fazer a rodar girar por completo). Ou seja, pra cada volta no pedal, 3,42 voltas na roda traseira serão dadas. inclusive, fica aqui o agradecimento ao @jbabo, lá do grupo de telegram do Beco da Bike, que gentilmente cedeu esse pedivela pra mim.

Caso eu ainda sinta necessidade de deixar a marcha ainda mais pesada, um próximo passo seria colocar um outro cassete, com menos dentes, por exemplo 11 dentes. Assim, a relação ficaria 48/11=4,36. Uma curiosidade é que eu na relação da segunda coroa desse pedivela, que possui 38 dentes, se eu fizer a conta de 38/11=3,45. Ou seja, o esforço necessário seria praticamente o mesmo do que o alcançado em 48/14=3,42. Por isso, tem que se tomar muito cuidado na hora de realizar um investimento, pra não correr o risco de trocar 6 por meia dúzia.

Já na relação mais leve, atualmente, possuo a seguinte configuração:

28/28=1. Ou seja, uma volta no pedivela equivale a uma volta na roda. Antes a conta era 24/28=0,85. Ou seja, conseguia ter uma pedalada uma pouco mais leve, o que seria recomendado para subidas íngremes. Mas, não acho que os 0,15 de diferença fará tanta diferença. Quase nunca uso a menor coroa e pretendo manter assim.

Sobre o pedivela Suntour

O pedivela que coloquei na minha bike é o modelo Suntour, de 170mm (tamanho dos braços), com coroas de 48x38x28 dentes, para uso com movimento central de ponta quadrada – esse também é um ponto importante na hora de escolher o seu pedivela. Ele deve ser compatível com o movimento central da sua bike. Na dúvida, sempre confira antes com o fabricante da sua bicicleta, em manuais ou até mesmo com um mecânico de confiança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *